sábado, 7 de janeiro de 2012

Dica de filme: “Melancolia”, de Lars von Trier

Foto: divulgação (site do filme)
É um filme sobre casamento. Não, é um filme sobre relacionamentos e convenções. Não, sobre relações de família. Peraí, é um filme sobre o fim do mundo, literalmente falando! “Melancolia”, do diretor Lars von Trier, é um filme estranho sobre tudo isso e mais alguma coisa. Tem beleza, tensão,  e deixa um sentimento de impotência e frustração (como lidar com o inevitável??). Me deixou...incomodada (essa palavra nunca mais foi a mesma depois do comercial com a Suzy Rêgo, lembram?). Fiquei com ele na cabeça por um bom tempo. Talvez porque assistir a um filme sobre o fim de tudo, às vésperas do famigerado ano de 2012, não tenha sido exatamente uma boa ideia, rsrs. Talvez pelo seu ritmo arrastado, quase exasperante. Talvez pelas belíssimas imagens, principalmente as do início do filme, deslumbrantes, como pinturas em movimento. Lembrei-me, sem nenhuma pretensão de passar por entendida em cinema, de Bergman, de Kubrick. Não sou exatamente fã de Kirsten Dunst, mas sua performance nesse filme me agradou mais que o usual (não à toa, a moça ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes, em 2011, por sua atuação). Ainda prefiro, contudo, a atuação de Charlotte Gainsbourg (filha dos mitos Serge Gainsbourg e Jane Birkin, sim, ela mesma, a inspiração da bolsa homônima da Hermès): intensa, contundente, numa personagem sem glamour algum e tão humana. Bom também ver Kiefer Sutherland fora da pele do agente Jack Bauer. É um filme perturbador, bom para pensar, mas ainda não me criou a coragem necessária para assistir a “Anticristo”, do mesmo diretor, rsrs. Recomendo. Às vezes, o estranhamento é bom para tirar a gente da nossa zona de conforto, não é? Final inesquecível. Para os fortes.

Veja aqui o site do filme.

6 comentários:

  1. Interessante Marcelle!! Vou procurar nas locadoras assim que eu chegar em casa! Bjs

    ResponderExcluir
  2. Assisti e é um filme reflexivo...Mas o que eu amei mesmo foram as cenas iniciais que foram muito bem feitas e que conseguem de antemão traçar os aspectos mais relevantes do filme...O final é muito bom e realista...Um filme para saborear sem pressa e sem os modismos de filmes atuais...O final do filme fica ecoando por muito tempo nos pensamentos....Gostei muito...

    ResponderExcluir
  3. Martha, veja e depois me diga o que achou! Bjs e obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  4. Karine, concordo totalmente!! Parece que todos que assistem ficam com o filme por muito tempo mesmo,rsrs. Bjs e volte sempre!

    ResponderExcluir
  5. Perfeito isso que você disse em relação ao "sentimento de impotência e frustração", Marcelle, acho que o filme é exatamente isso. Achei bem bacana a idéia da imagens iniciais, muito lindas mesmo, e o jeito como elas foram se explicando ao decorrer da história. Eu conseguia sentir a angústia das lãs amarrando minhas pernas, a imagem do início me fez saber exatamente qual era a sensação de peso e cansaço que ela sentia. O filme é mesmo bem arrastado, mas prendeu minha atenção até o final a espera por alguma explicação que, de certa forma, não veio. O inevitável é outra questão que incomoda, mais ainda por eu ter assistido durante uma tempestade de raios e trovões. Esperava mais do filme pelas críticas que li. Ainda não sei definir se gostei ou não. Mas, que é diferente, pertubador, cheio de referências, e que sim causa bastante estranhamento é incontestável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Natália, o filme mexe com a gente mesmo, e deixa um rastro que é até difícil de definir, né? Obrigada pela visita, querida! Bjs!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...